Sobre Giselle Sato

Desde que inicie a formação para ser professora do RepiraVida Breathworks, senti que realmente havia encontrado a minha escola, o  lugar que aguardei por tanto tempo fazer parte. Todo o método se ajusta e supre minha necessidade de ter qualidade de vida e ser feliz. Vivo bem com a dor e a doença, sou uma pessoa com deficiência decorrente de doenças autoimunes e dor crônica há quase 20 anos, atuo nas redes sociais compartilhando e divulgando a importância das práticas de mindfulness na forma de  textos, poesias e arte.  

 

Sou comissária de bordo aposentada após um acidente,  praticante de meditação por quase toda a vida, escritora e poetisa;  após o curso de 8 semanas de mindfulness em 2016, obtive tantos benefícios que decidi  me dedicar ao voluntariado com foco em pacientes com dor e doenças crônicas. 

Acredito  num futuro melhor para todos as pessoas que sentem algum tipo de dor e desconforto, em especial ao programa do Respira Vida Breathworks que possibilitou minha readaptação e trouxe um novo sentido a minha  vida. Quero fazer parte dessa imensa rede de apoiadores, compartilhando a experiência de viver plenamente. 

 

Moro no  Rio de Janeiro com meu companheiro e três adoráveis cachorros.

 

‘’A prática de Mindfulness ampliou minha percepção enriquecendo o olhar e o sentir, com uma abertura nunca antes experimentada. Ter a certeza de que tudo está sempre em constante mudança, mudou a forma como me relaciono com a dor e o sofrimento, que deixou de ser a ‘’minha dor e o meu sofrimento’’, mas um senso comum a todos os seres.

‘’Desvencilhei as amarras do passado, soltei os laços da fantasia e vim de coração aberto viver o momento presente. Viver o momento presente com todas as imperfeições, dores e comprometimento; exatamente onde escolhi estar.’’ Compartilhando o sentimento com toda humanidade; conectada e consciente, tenho a liberdade de escolher a forma de me relacionar com as situações.

A autogestão da dor crônica é um longo caminho de aceitação e paciência; aceitar não significa desistir, mas compreender que existe uma necessidade de aprender a lidar com a dor que existe e pode persistir por tempo indeterminado.’’

 

Seja muito bem- vindo

Giselle Sato